Segunda-feira, 2 de Março de 2015

DEVIDO À INALAÇÃO DO FUMO DE COZINHA: Dez mulheres morrem por dia no país

LIVANINGO.png

DEZ mulheres morrem diariamente em Moçambique por inalar fumo de cozinha, segundo a Livaningo, organização não-governamental criada com o objectivo de melhorar a vida das comunidades de baixa renda.

 

Com efeito, a agremiação organizou uma marcha para promover o uso de energia limpa e redução do uso da lenha e carvão, que podem contribuir sobre maneira para a redução de poluição ambiental.

Segundo Domingos Panguene, coordenador de programa na área de energia e mudanças climáticas na Livaningo, o projecto tem por objectivo engajar, mobilizar e sensibilizar a juventude e a sociedade, em geral, a usar e adoptar alternativas novas na cozinha doméstica.

Acrescentou que em Moçambique, por exemplo, mais de 75 por cento da população depende fundamentalmente de energias de biomassa para cozinhar, lenha e carvão, e isso tem custos económicos, sociais e ambientais.

“Se olharmos para o custo ambiental, é que as florestas estão acabar, daí que a lenha e o carvão que a cidade de Maputo usa provem há 400 quilómetros porque as matas das proximidades já foram devastadas”, disse.

O nosso interlocutor precisou que devido à destruição massiva das florestas e à longa distância dos principais centros de produção, o custo de carvão nos últimos quatro anos duplicou em mais de 200 por cento.

“Em 2011 um saco de carvão de 60 quilogramas era vendido a 400 meticais, mas nos últimos tempos o preço subiu para 850 a 1200 meticais. A Livaningo vem demonstrar que o uso de fogões melhorados é uma das alternativas para reduzir a vulnerabilidade da população”, afirmou.

Panguene realçou que um dos grandes desafios na área das mudanças climáticas é o acesso à energia limpa e sustentável, visto que a principal causa deste fenómeno são as emissões provocadas, na sua maioria, pelas grandes indústrias e destruição das florestas.

Ele disse que dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que a poluição doméstica nos últimos cinco anos matou mais que a malária, isto é, mais de sete milhões de pessoas morreram em África e Ásia.

A Livaningo está a implementar este programa desde 2011, no âmbito de promoção de energias novas e renováveis, no contexto das mudanças climáticas, visto que Moçambique ocupa o sexto lugar nos países vulneráveis.

publicado por Jornal Urbano De Moçambique às 12:48
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Cidadão suicida-se no cem...

. Desmaios frequentes agita...

. “Regime da Frelimo será j...

. Monteiro arruma tabuleiro...

. Corrupção desvia pelo men...

. Frangoulis diz que Procur...

. Partido Frelimo afasta-se...

. Dhlakama anuncia para Abr...

. Nyusi reitera compromisso...

. A reacção da única filha ...

.arquivos

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds