Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013

Criminalidade dispara em Manica

A província de Manica, no centro do país, é palco, nos últimos tempos, de crimes violentos de natureza e gravidade diversa, com assassinatos, assaltos à mão armada, baleamento de agentes económicos, agressões físicas, roubo ou furto de bens, a dominarem o dia-a-dia dos cidadãos.

Segundo escreve esta quarta-feira o matutino Notícias, a cidade do Chimoio apresenta as mais altas taxas de assaltos e homicídios com o recurso a armas de fogo.
Devido a este fenómeno, que tende a recrudescer, o Procurador Chefe provincial de Manica, Agostinho Rututo, apelou para a necessidade de as autoridades da lei ordem e a população em geral, redobrarem esforços visando a contrariar a tendência ascendente da criminalidade, identificando melhores métodos visando a sua prevenção e combate.

“Manica registava sim crimes de pequena monta, mas agora a situação é complicada. Voltamos a registar assaltos à mão armada em pleno dia. E há uma inovação: as vítimas dos últimos assaltos são agentes económicos, de preferência de nacionalidade estrangeira”, disse Agostinho Rututo, citado pelo Notícias.

Na sequência destes tipos de crimes, nos últimos dois meses, segundo reconheceu o procurador, pelo menos três comerciantes estrangeiros foram baleados mortalmente, em igual número de assaltos a mão armada, sendo dois paquistaneses e um britânico, que foram baleados a queima-roupa e despojados de avultadas somas de dinheiro.
Ruturo, disse não serem claras as causas que levam ao ressurgimento destes comportamentos desviantes e violentos, considerando que acção está a contribuir para desacreditar o esforço tremendo que está a ser desenvolvido pelas forcas de defesa e segurança, no quadro do combate a criminalidade.
“Verificamos com preocupação que o crime violento voltou a recrudescer na província. A cidade de Chimoio lidera as situações de assalto à mão armada, com a diferença também de que esses assaltos decorrem de dia”, disse ainda o procurador para quem “o combate contra este fenómeno, constitui o nosso maior desafio como Ministério Público neste ano de 2013.

Em coordenação com as forças de defesa e segurança, a população, a sociedade civil e as lideranças comunitárias a vários níveis, segundo Rututo, devem fazer um trabalho exaustivo visando denunciar, punir e neutralizar os infractores que ameaçam a ordem, a segurança e a tranquilidade públicas na província.
publicado por Jornal Urbano De Moçambique às 17:25
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Cidadão suicida-se no cem...

. Desmaios frequentes agita...

. “Regime da Frelimo será j...

. Monteiro arruma tabuleiro...

. Corrupção desvia pelo men...

. Frangoulis diz que Procur...

. Partido Frelimo afasta-se...

. Dhlakama anuncia para Abr...

. Nyusi reitera compromisso...

. A reacção da única filha ...

.arquivos

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds