Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2013

Maputo ainda sob efeitos do apagão: Complexidade do trabalho atrasa reposição de energia

ATÉ até a tarde de hoje, as equipas da Electricidade de Moçambique (EDM) continuam a trabalhar na instalação de linhas alternativas para restabelecer o fornecimento integral de energia eléctrica à cidade de Maputo, cujas restrições perduram desde a madrugada de sábado, originadas por uma violenta explosão de painéis de controlo na Central Térmica, cuja magnitude chegou a custar a vida de um trabalhador da companhia.

O administrador executivo da EDM, Adriano Jonas, disse que o problema prevalecia devido à complexidade dos trabalhos que deviam ser efectuados para a reposição efectiva do fornecimento de energia à capital.
Até cerca das 21.00 horas de ontem já tinha sido restabelecida a ligação à maioria dos bairros residenciais da cidade, com a excepção da zona da Baixa e a Avenida Ahmed Sekou Touré, zona do Prédio da Revista Tempo.

Previa-se que estas áreas voltassem a receber energia de forma definitiva até às 22.00 horas.
“A nossa previsão era de que o problema fosse ultrapassado até a manhã de ontem, mas durante as operações fomos nos apercebendo da complexidade do trabalho a ser efectuado”, disse Jonas.
Por causa da envergadura do trabalho, a cidade voltou a registar um apagão das 11.00 horas até a meio da noite de ontem. Essa situação provocou a paralisação de grande parte das actividades.

Numerosas instituições públicas, privadas e de prestação de serviços deixaram de trabalhar por falta de condições para prosseguir com as suas actividades, dispensando os seus funcionários um pouco mais cedo.
O apagão afectou os sectores bancário, comercial, as comunicações, as áreas de restauração e hotelaria, estas últimas cuja maiorias e refere a enormes prejuízos resultantes da danificação de equipamentos e da deterioração de produtos congelados.

Os bancos comerciais da cidade capital operaram com dificuldades e, na maioria dos casos, os gestores destas agências apontam falhas nos sistemas de operação derivadas de restrições no fornecimento de energia eléctrica.

Em quase todos os passeios da zona baixa da cidade e arredores foram instalados geradores para electrificar as lojas, escritórios e noutro tipo de estabelecimentos para evitar a paralisação total das actividades.
O trânsito não escapou aos efeitos das restrições, uma vez os semáforos ficaram paralisados. Por causa disso, logo depois do apagão a circulação tornou-se caótica com longas filas de viaturas a caracterizarem o tráfego rodoviário. Não houve registo de acidentes o que em parte deveu-se à presença visível de agentes da Polícia de Trânsito para orientarem a circulação automóvel em tempo de crise.
publicado por Jornal Urbano De Moçambique às 15:44
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Cidadão suicida-se no cem...

. Desmaios frequentes agita...

. “Regime da Frelimo será j...

. Monteiro arruma tabuleiro...

. Corrupção desvia pelo men...

. Frangoulis diz que Procur...

. Partido Frelimo afasta-se...

. Dhlakama anuncia para Abr...

. Nyusi reitera compromisso...

. A reacção da única filha ...

.arquivos

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds